NÃO É POSSÍVEL TORNAR-SE UM OBSERVADOR SENDO REATIVO

A” e “B” agem um para com o outro. “A” age, “B” reage. Se a ação de “A” é um insulto, a ação de “B” será uma reação disto. Se “A” elogia “B”, então “B” também reage, ou seja, sua ação, mesmo que positiva, ainda é uma reação de “A”.

“B” fica satisfeito, ele lembra que é um bom amigo e todo o resto. Daí vem uma ação subsequente, que é: “A” influencia “B”, e “B” reage a essa influência, e dessa reação vem outra reação.

Esse é o processo que conhecemos, uma influência positiva, uma resposta que pode ser positiva ou negativa. Então dizemos para nós mesmos: “Eu devo me libertar da raiva, da vaidade”; mas o desejo de se libertar é ainda uma reação, porque a raiva, a ofensa significam a ausência ou fraqueza de virtudes que necessitam ser desenvolvidas.

Por exemplo: se recebo o mal, mas tenho bem desenvolvidas em mim as virtudes da tolerância e do perdão, não precisarei lutar contra o desejo do revide, porque este mal não penetrou o meu mundo íntimo e mantive-me livre para agir, e não reagir.

416A falta de virtudes tendem a nos causar, primeiro, contrariedade e revolta, depois, frustração e infelicidade. Então, quando nos acalmamos, dizemos para nós mesmos: “Eu não devo ser assim reativo”. Mas perceba que o “não devo” é uma ainda reação do mal que absorvemos da ação do outro.

Enquanto não atingimos este estado virtuoso, precisamos tomar uma série de ações de autocontrole e disciplina, como “Eu não devo”, “Eu devo”.

De uma influência ou condicionamento há uma reação, e essa reação cria mais reação. Uma resposta positiva ou negativa, um impulso positivo ou negativo geram uma resposta, ou seja, uma reação. Ora, nesse estado de mente reativa, como poderemos sair de nós mesmos e nos tornar observadores de alguma coisa?

Pode uma criança aprender a escrever sem ir à escola, sem passar pelas provas? Claro que não. Também não se pode desenvolver virtudes como tolerância, perdão, benevolência, se não nos dedicamos na escola da convivência, se não passamos pelas provas da contrariedade, do orgulho ferido, da ofensa…

Você só sabe se possui a virtude da bondade quando o mal de outro já não mais produz uma reação maldosa em você.

Somente aceleramos o aprendizado interior quando desenvolvemos as virtudes, porque esta é única maneira de se tornar um verdadeiro observador.

A forma mais elevada de inteligência humana é a capacidade de observar sem julgar.

Adaptado de: “Collected Works, Vol. XII,82,Action – Krishnamurti.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s