REENCARNAÇÃO PROGRAMADA

Uma perna defeituosa a fim de evitar a vaidade desastrosa

Eu, André Luiz, cidadão da colônia espiritual “Nosso Lar”, encontrava-me num instituto de serviços dedicados à programação de reencarnações futuras; lá os espíritos definem os meios em que vivenciarão novas oportunidades de prova, bem como as características do modelo psico-bio-físico, ou seja, o corpo físico que lhes servirá de moradia porquanto estadiarem na Terra.

Aproximando-nos dos pavilhões de desenho, onde numerosos cooperadores traçavam planos para reencarnações, Manassés, irmão dos serviços informativos, apresentou-me a Silvério, que, depois de quinze anos de trabalho nas atividades de auxílio, regressaria à esfera carnal para a liquidação de determinadas contas. O recém-chegado parecia hesitante. Viase-lhe o receio, a indecisão.

– Não se deixe dominar pelas impressões negativas – dirigia-se Manassés a ele, infundindo-lhe bom ânimo –. O problema do renascimento não é assim tão intrincado. Naturalmente, exige coragem, boas disposições.

missionarios da luz– Entretanto – exclamava o interlocutor, algo triste –, temo contrair novos débitos ao invés de pagar os velhos compromissos. É tão penoso vencer na experiência carnal, em vista do esquecimento que sobrevém à encarnação…

– Mas seria muito mais difícil triunfar guardando a lembrança. Se tivéssemos grandes virtudes e belas realizações, não precisaríamos recapitular as lições já vividas na carne. E se apenas possuímos chagas e desvios para rememorar, abençoemos o olvido que o Senhor nos concede em caráter temporário.

Esforçou-se o outro para esboçar um sorriso e objetou:

– Conheço-lhe o otimismo; quisera ser igualmente assim. Voltarei confiante no concurso fraterno de vocês. Pode informar se o meu modelo está pronto?

– Creio que poderá procurá-lo amanhã – tornou Manassés, bem disposto –; já fui observar o gráfico inicial e dou-lhe parabéns por haver aceitado a sugestão amorosa dos amigos bem orientados, sobre o defeito da perna. Certamente, lutará você com grandes dificuldades nos princípios da nova luta, mas a resolução lhe fará grande bem.

– Sim – disse o outro, algo confortado –, preciso defender-me contra certas tentações de minha natureza inferior e a perna doente me auxiliará, ministrando-me boas preocupações. Ser-me-á um antídoto à vaidade, uma sentinela contra a devastação do amor próprio excessivo.

– Muito bem! – respondeu Manassés, francamente otimista.

– E pode informar-me ainda a média de tempo conferida à minha forma física futura?

– Setenta anos, no mínimo – redarguiu meu novo companheiro, contente.

O outro fixou uma expressão de reconhecimento, enquanto Manassés continuava:

– Pondere a graça recebida, Silvério, e, depois de tomar-lhe a posse no plano físico, não volte aqui antes dos setenta. Trate de aproveitar a oportunidade […]

(Trechos do cap. 12 do livro “Missionários da Luz”, de Francisco Cândido Xavier – pelo Espírito André Luiz)
Arquivo PDF do livro, aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s